Santa Clara

“Seja você também uma ponte que liga os que tem de sobra, com aqueles que sentem falta de tanta coisa.” (Santa Clara)
Boa tarde irmãos e irmãs! A paz de Cristo e o amor de Maria! Hoje vou chegar pedindo licença a vocês e aos meus colegas aqui no blog, pois vou interromper só um pouquinho a programação da semana, que está sendo sobre a vocação sacerdotal, mas preciso falar de uma moça com vocês! Hoje é dia de Santa Clara!!!! Vamos conversar um pouco sobre ela?
Santa Clara nasceu em Assis, na Itália, em 1193. Seu nome foi escolhido por sua mãe, que por inspiração, disse que sua filha haveria de iluminar o mundo com sua santidade. Lindo isso, né?!
Ela era de uma família nobre, cheia de riquezas. Ela vivia em um palácio na cidade, mas sua família ainda possuía muitas propriedades e até mesmo um castelo. Porém, desde cedo destacava se por sua caridade e respeito para com os mais necessitados e, ao se deparar com a pobreza evangélica vivida por São Francisco de Assis, ela apaixonou-se por aquele estilo de vida.
Quando Santa Clara estava com 18 anos, ela e mais uma amiga fugiram para um convento, lá foram encontrar com ninguém menos que Francisco de Assis, na Porciúncula. Seus lindos cabelos foram cortados pelo próprio São Francisco, como sinal de entrega total ao Cristo pobre, casto e obediente. Ela vendeu tudo o que tinha, inclusive seu dote para o casamento, e distribuiu tudo aos pobres.
Sua família tentou buscá-la, enviaram seu tio chamado Monaldo, para que a trouxessem de volta, mas ela recusou-se. Ela chegou a mostrar-lhe seus cabelos cortados, afim de que não iria voltar. Ele então, desistiu de levá-la.
Ela foi encaminhada, junto com outras moças, para a igreja de São Damião, onde deu início à Ordem, contemplativa e feminina, da Família Franciscana (Clarissas). Destas, Clara tornou-se mãe e modelo.
Santa Clara também era uma mulher de muita fé! Certa vez, quando a cidade de Assis já estava sob o ataque dos muçulmanos, aquela região passou por grandes necessidades. As irmãs, que já eram mais de 50, não tinham o que comer. A irmã cozinheira, desesperada, disse a Santa Clara que não havia mais que um pão para que todas se alimentassem.  Santa Clara disse a ela que confiasse em Deus e dividisse aquele mesmo pão em 50 pedaços, a irmã cozinheira não entendeu, mas mesmo assim obedeceu. De repente, dezenas de pães apareceram na cozinha, o que ajudou as irmãs a se sustentarem por vários dias.
Outra vez, quando os muçulmanos tentaram invadir o Convento de Assis, Santa Clara pegou o ostensório com Santíssimo Sacramento e disse que Cristo era mais forte do que eles. De forma inexplicável, todos foram por medo e fugiram, sem saquear nada do convento.
Um ano antes de seu falecimento, Santa Clara queria muito ir à uma missa na igreja de São Francisco, que já era falecido, mas não tinha condições de saúde, pois já estava muito doente. Ela entrou em oração e do seu quarto, deitada e, sua cama, Santa Clara conseguiu assistir toda a celebração. Por isso, em 1958, o Papa Pio XII, proclamou oficialmente Santa Clara como padroeira da televisão.
Santa Clara foi para a casa do Pai em 11 de agosto de 1253, aos 60 anos.
Pois bem meus irmãos, quis contar um pouco sobre Santa Clara para que juntos pudéssemos refletir sobre sua vida. Ela foi uma grande mulher, que poderia ter sonhado com uma vida luxuosa, confortável, mas escolheu seguir a Deus da forma mais humilde. Ela olhava para os mais necessitados e sabia acolhe-los em seu coração. E, o mais importante: ela era uma mulher de fé!
Que assim como Santa Clara, possamos tem em nossa mente que Cristo é maior e mais forte que o inimigo. Que tenhamos coragem de enfrenta-lo, levando Jesus conosco! Ele nos ataca, é verdade, mas nosso Deus é maior que tudo!
Abraços,
Fiquem com Deus.
Amanda Batista – Minions Católicos